Biografia

Músico, cantor, compositor, radialista e advogado, João de Almeida Neto é considerado pela crítica musical um dos mais importantes intérpretes da música regional gaúcha. Natural de Uruguaiana/RS, a “Voz do Rio Grande” como é conhecido, João é um dos artistas mais premiados dos festivais nativistas e tem forte ligação com o tango e a seresta, com intenso roteiro de shows cumprido pelo Estado gaúcho e fora dele, incluindo Argentina e Uruguai. Inúmeros troféus marcam sua trajetória musical, entre eles Calhandra da Califórnia da Canção Nativa, Troféu Açorianos e Melhor intérprete do Rio Grande do Sul; assim como a Comenda Lupicínio Rodrigues, recebida em 2002 da Câmara de Vereadores de Porto Alegre/RS, e a Comenda Vitor Matheus Teixeira (Teixeirinha) que lhe foi agraciada em 2015 pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. Possui dez CDs e um DVD gravados e participação em inúmeras coletâneas e discos de festivias. Está preparando mais um disco, em vias de lançamento .
Com um cantar expressivo e forte, marca particular do artista, João emociona diferentes plateias com sua performance livre, apaixonada, um pouco rebelde e sempre autêntica. A lida campeira, o amor, a cidadania, a vida rural são temas onde deságuam a inspiração e o compromisso do artista com a música regional, tratada de forma elegante.
Seu contato com a música gaúcha iniciou ainda menino, nos campos do Touro-Passo, propriedade rural da família na sua terra natal. Na idade escolar, João já se apresentava nos saraus e serenatas. Nesse tempo, no Estádio do Esporte Clube Uruguaiana, adquiriu o gosto pelo futebol, outra paixão do artista. Ainda jovem, já integrante do Movimento Nativista, iniciado com a Califórnia da Canção Nativa de Uruguaiana, consagrou-se no cenário musical gaúcho após vencer os Festivais Tertúlia Nativista de Santa Maria, onde cantou Tropeiro Cantor, e a 1ª Coxillha Nativista de Cruz Alta, com a milonga “Meu Canto”, que apresentou sozinho ao violão, impressionando o público e revelando seu jeito singular de tocar o instrumento. Com“Vozes Rurais”, firmou-se como músico regionalista. Ao som de "As razões do Boca Braba", outra canção de sua autoria que se tornou sucesso, percebe-se a afinidade do público riograndense com o artista.
Mesmo baseando sua obra no estilo regionalista, João tem a alma musicalmente universal e boêmia. Em 1990, a convite da Fundação Alfredo Zitarrosa, João cantou em Montevidéo/UY em homenagem ao artista que muito lhe inspira. Na mesma década, a convite do cantor Nelson Gonçalves, João dividiu com ele o palco do Le Club em Porto Alegre para outro momento inesquecível de sua carreira.
Essa forte identificação de João com a boemia, a seresta e o choro levou o artista a produzir o espetáculo “Gaúcho Também Chora”, sucesso de público, onde, acompanhado de um regional, reúne sambas, tango, chamamé, vanera, milonga e choro, homenageando a música sul-americana e brasileira e arrancando suspiros da plateia.
Com outra bela turnê, “João de Almeida Neto de todos os Tangos” mostrou sua familiaridade trazida da infância com a música porteña, interpretando clássicos desse gênero musical latino-americano, alguns já gravados em um de seus discos.
Mais de um vez, João participou do Festival de Chamamé de Corrientes/AR. Integrou os Concertos DANA levado ao Salão de Atos da UFRGS, bem como os Concertos com as Orquestras do Teatro São Pedro/RS, da Ulbra/RS, de Blumenau/SC e da Universidade de Caxias do Sul/RS, entre tantos outros espetáculos.
Hoje, fruto do amor pelo futebol, João, além de atuar nos palcos da vida, integra com muita honra a equipe de comentaristas de futebol do célebre Programa Sala de Redação, da Rádio Gaúcha do Grupo RBS. João de Almeida Neto tem no coração o Rio Grande do Sul. O gaúcho se identifica em sua voz, na sua forma altiva de cantar e de defender a cultura regional como forma de linguagem e independência de seu povo, contrário à padronização cultural. É um artista completo e com seus diferentes formatos de shows percorre os mais diversos palcos levando a todos a bela cultura gaúcha e brasileira. Com o poder da arte da palavra, João chega ao coração do público arrebatando calorosos aplausos. 

DEPOIMENTOS

"Atenção, povo dileto
Do Estado do Paraná
Porque agora vai cantar
Nosso cantor mais completo
As moscas param no teto,
O macherio se engalana
E o chinedo abre as persianas
Pra ouvir João de Almeida Neto"
(Jayme Caetano Braun, poeta e payador)

"João é cantor e dedicado torcedor gremista. Frequenta quase todos os jogos e apresenta um jeito peculiar, um estilo que mistura os tantos anos vividos na Capital, com a infância e adolescência em Uruguaiana, na fronteira do Rio Grande do sul com a Argentina e o Uruguai. João é um misto de bagual com metrossexual. Daí saiu uma mistura interessante: um sujeito que tem na língua toda a poesia das letras que canta, mas a sagacidade do homem do interior gaúcho e o charme do porto-alegrense. Definitivamente uma personalidade autêntica e excêntrica, que muitas vezes arranca gargalhadas dos companheiros de conversa por não conseguirem identificar precisamente se ele está irritado ou de brincadeira. João tem a retórica dos advogados, já que é um deles. E, com isso, faz com que seus argumentos, ditos pela voz grave e afinada, soem como boleros futebolísticos de Nelson Gonçalves. João é uma peça rara. Um falso bruto. O grosso que, na verdade, é inteligente." (Cleber Grabauska e Júnior Maicá, jornalistas e comunicadores do Grupo RBS, Livro Sala de Redação - aos 45 do primeiro tempo, Ed. Bairrista) 

“João de Almeida Neto é grande, forte e sério. Fala pouco e ri menos. Mas quando abre a voz para cantar as canções gauchescas que o fizeram famoso, as multidões se calam para ouvi-lo. Tem uma voz grave, profunda, com um registro que lembra Nelson Gonçalves. Considerado um dos mais importantes cantores e compositores nativistas do Rio Grande do Sul, foi premiado como melhor cantor e compositor em quase todos os festivais de música de que participou. Assim é João de Almeida Neto, homem de forte personalidade, de voz belíssima, nascido para vencer.”
(Antonio Augusto Fagundes - Tradicionalista, poeta, compositor) 

“TE LO PIDO POR FAVOR:
- EMPRESTAME UN CHAMAMÉ,
QUE VOI GRABAR UN CD
Y ME FALTA ALGO DE AMOR.
HACETE UN BIEN AL CANTOR
QUE SOLO SABE CANTAR
Y ME PREMITAS GRABAR
EL QUE NUNCA TE OLVIDÉ”
(João de Almeida Neto)

“ TENES EL CONSENTIMIENTO
PARA "NUNCA TE OLVIDÉ"
ES UN TRISTE CHAMAMÉ
UN MOJÓN,UN SENTIMIENTO
TU GARGANTA EL INSTRUMENTO
QUE LE DARÁ PROFUNDO VUELO.
PUES SIEMPRE TUVE EL ANHELO
DE OÍR MI CANTO EN TU VOZ
TE ADMIRA TARRAGÓ ROS
DESDE LOS PIES HASTA EL PELO...””
(Antonio Tarragó Ros - Músico, cantor e compositor - Argentina)

“João de Almeida Neto é a renovação contínua de todo o meu reconhecimento quando volteio versos pra mangueira. É o canto forte, desdomado e sábio que vem das ruas de Uruguaiana, dos pedregulhos da memória, do pátio de terra da nossa Fronteira Oeste. O João é o artista da ética, dono de uma voz firme, personal que lembra o lado torto de alguns poemas seresteiros de palavras leves e argumentos pesados, ele ainda é aquele cantor ativista que abriu mão da vaidade para ser ele mesmo. Ele representa a nossa ousadia de cantar opinando. Cantor engajado de expressão cultural solidária e inquieta, capaz de aperfeiçoar o aprendizado e utilizar a sabedoria apenas pra fundamentar seu ponto de vista. Quantas picadas abrimos juntos, quantas canções ainda não se fizeram esquecer, alguns aprendem olhando, outros pagam pra ver. De cavalo pela rédea sempre pronto a retomar a estrada, o João ainda é aquela alma inquieta de tradição. É o sinuelo onde se juntam os amigos pra um mate. É o caminho, onde quem tem pressa termina passando por cima do que precisa. João de Almeida Neto é isso e assim é nossa amizade, igual ao resto de nossas vidas.” (Mauro Moraes - Compositor e cantor gaúcho)

"É muito difícil que o cantor João Almeida Neto tenha em suas andanças conquistado um admirador maior do que eu. Talvez, o Canário, mas, esse não vale já que era seu pai. Com os outros, eu peleio com grande vantagem ! Não falo apenas do amigo, pois, a nossa velha amizade é reconhecida em todo o pago. Falo da admiração que tenho pelo artista qualificado que o João é, indiscutivelmente. Sua voz privilegiada e sua elogiável versatilidade de repertório, fazem dele - sem dúvida - um dos melhores cantores que o Rio Grande já teve em qualquer área musical e não somente na praia nativista. Falo como crítico que conhece muito bem o rengo sentado e o cego dormindo... Falo como quem já assistiu João Almeida Neto vencer festivais, ou, apresentar-se em um teatro, ou, simplesmente, em um bar, sempre bem acompanhado. Melhor ainda : falo como quem já esteve junto com ele em uma roda de amigos onde ele é insuperável com um violão nos braços..De fato, é muito bom esse João Almeida, tchê !" (Bagre Fagundes, músico e compositor nativista - Rio Grande do Sul, Brasil)

 "Recentemente, vi e ouvi o DVD em que João canta "Sant'Anna do Uruguai", uma canção pungente formada por versos de Luiz de Miranda e música de Bebeto Alves. Imediatamente lembrei de uma roda de amigos, numa remota madrugada do Pulperia quase vazio, em que ouvi João cantar à capela uma valsa de Vinícius de Moraes. Já havíamos nos encontrado algumas vezes, mas sempre tive convicção de que foi naquela madrugada que comecei a conhecer João de Almeida Neto. Até então eu pensava apenas que o pampa e a voz de João eram como uma única obra caprichosamente separada em duas formas pela natureza. Aprendi que João é muito maior do que seu pampa e sua voz. E hoje sei também que somos amigos, até em silêncio."
(Robson Cardozo Barenho - Jornalista e compositor)

"Hablar del entrañable Joao de Almeida Neto es referirse a un auténtico trovador de estos tiempos de Nuestra América... Entusiasta cantor que me visitó una tardecita y se enamoró de las canciones de Carlos Enrique de Mello... que es como enamorarse del norte uruguayo... Un saludo muy cordial desde Montevideo"(Héctor Numa Moraes - Músico e cantor - Montevideo/Uruguay)